Show de Gigantes – O grandioso Kong ganha filme à sua altura

Show de Gigantes – O grandioso Kong ganha filme à sua altura

157
0
COMPARTILHE

            O famoso macaco King Kong já ganhou várias adaptações para o cinema. A última delas fora um longa dirigido por Peter Jackson em 2005 que era um filme bom, mas cansativo em partes. Quando a Warner Bros. anunciou mais um filme do primata, confesso que não tive muito entusiasmo. Mas, surpresa! “Kong: A Ilha da Caveira” (Kong: Skull Island, EUA, Vietnã, 2017), disponível em Blu-ray e DVD, acaba se mostrando um longa com ação tão grandiosa quanto o Kong.

Elenco em ótima sincronia na perigosa Ilha da Caveira.

Acompanhamos, no filme, uma expedição na isolada Ilha da Caveira localizada no Pacífico Sul, onde alguns cientistas e militares foram, na teoria, realizar alguns estudos do solo do local. No entanto, os planos de Bill Randa (John Goodman) é de provar que, naquele local, gigantescas criaturas ali vivem. O que ele não imaginava era o perigo que colocou todo o grupo ao entrar na Ilha da Caveira.

            Encontramos nesse novo filme do Kong todos os elementos clichês desse tipo de película que mistura ação e aventura. Temos o militar durão na pele de Samuel L. Jackson, um ator charmoso e badalado (Tom Hiddleston) para se tornar uma espécie de herói e ganhar um par romântico (Brie Larson), o louco (Hank Marlow) e, claro, os figurantes para morrerem aqui e ali e enaltecerem, dessa forma, os atos do herói. Apesar desse checklist, o diretor Jordan Vogt-Roberts soube sincronizar muito bem todos esses elementos fazendo da película uma divertida experiência.

Tom Hiddleston e Brie Larson em papeis clichês e de um herói forçado.

Visualmente o filme é bonito, com tomadas bem elaboradas de ação e sempre dando ênfase ao personagem título. Ainda há cortes com objetivos de criar conflitos sem a necessidade de falas, como uma cena em específico, em que é mostrado um super-close nos olhos de dois personagens criando toda a atmosfera necessária para o que se virá a seguir. A trilha sonora composta por Henty Jackman – do ótimo “Kingsman: Serviço Secreto” funciona bem e a boa mixagem de som faz com que os ambientes não se tornem uma bagunça sonora.

            O elenco cumpre muito bem o seu papel de praxe. Tão bem que o forçado heroísmo de Tom Hiddleston não prejudica a trama. Destaque, também, para a direção de arte da película, desde a criação dos monstros aos cenários tropicais da Ilha da Caveira. Houve um cuidado aqui em desenvolver todos os elementos de cena a partir de um conceito comum, dando veracidade ao que vemos em tela em termos de direção artística.

Os excelentes efeitos visuais fazem de Kong o destaque do filme.

Apesar da boa construção do elenco, o astro do filme, no entanto, é o próprio Kong. De tamanho colossal, o primata rouba as cenas sempre que entra em tela, isso graças aos excelentes efeitos visuais. A relação entre o macaco e a própria ilha não só funcionou como também acabou se transformando em um ponto positivo à narrativa, dando uma profundidade e proximidade surpreendente com o espectador.

            Apesar do cliché e dos diálogos sofríveis em determinados momentos, “Kong: A Ilha da Caveira” cumpre o que promete: uma grande aventura recheada de ação, com uma ótima apuração técnica. É uma boa pedida para passar o tempo, torcendo pelos personagens preferidos e ainda dando algumas risadas. A cena pós-crédito instiga ainda mais para saber o que virá por aí.

Nota: 7.5/ 10.0